Analytics:

terça-feira, janeiro 09, 2007

É mais fácil tirar a Cicarelli do sério que o YouTube do ar!




# Oi!

# # Há quanto tempo né?

# # # Lá embaixo, o distinto leitor disso aqui confere algumas linhas sobre Reino Fungi e o Clube do Chá Dançante, o disco novo da Reino Fungi, banda lá dos lados de Joinville – Santa Catarina, e que lança esse seu segundo álbum por um selo goiano. Vai lendo aí que você chega lá rapidinho, confia em mim!


# Fim da temporada das famosas listas de melhor disso e daquilo? Ainda não. Não sem antes Goiânia Rock News divulgar sua última classificação: a de melhores músicas desse ano que passou.

# # Depois das tabelas de melhores discos internacionais/nacionais, melhores shows em Goiânia Rock City e banda revelação, todos postados aqui mesmo nos últimos e moribundos suspiros do ano passado, segue o ranking das canções que fizeram de 2006 um ano melhor:

1º - Anna Molly – Light Grenades / Incubus
2° - Black Swan – The Eraser / Thom Yorke
3º - Hump the Bump – Stadium Arcadium / Red Hot Chili Peppers
4º - Supermassive Black Hole - Black Holes and Revelations / Muse
5º - Original Fire – Revelations / Audioslave
6º - Grupo de Extermínio de Aberrações – Tribunal Surdo / Violins
7º - Grass Is Greener - Enemies Like This / Radio 4
8º - Soraya By Starsex – EP Promo / Macaco Bong
9º - Don’t Feel Like Dancin’ – Tah Dah / Scissor Sisters
10º - Dance, Dance – From Under the Cork Three / Fall Out Boy
11º - Fluxo Beligerante –Estado Natural / Casa Bizantina
12º - Vivir En La Montaña – PicaSeso / Vudú
13º - Viscera Eyes – Amputechture / Mars Volta
14º - 99th Floor - Riot City Blues – Primal Scream
15º - Até o Amor Virar Poeira – Carrossel / Skank
16º - Ódio – Luxúria / Luxúria
17º - Mas Que Nada – Timeless / Sérgio Mendes & Black Eyed Peas
18º - Gueto – Meu Samba é Assim / Marcelo D2
19º - Rocks – Cê / Caetano Veloso
20º - Véio Máximo – Superguidis / Superguidis
21º - Deceit - Steep Trails / Ankla


# # # E antes que alguém pergunte: Não! Eu não acho Crazy, do Gnarls Barkley, grandes coisas (ela é até legalzinha, mas não girou mais que duas vezes no player aqui do pecê em 2006), e ainda que ocupe grande parte das melhores colocações nas listas descoladas da internet, ela não tem lugar nem nas 50 melhores do ano para o amigo aqui. Falei.


# Grupo de Extermínio de Aberrações, canção de Tribunal Surdo, próximo disco do Violins que será lançado depois do carnaval, já começa a causar polêmica. Quem conta a estória é o próprio Beto Cupertino – vocalista da banda – na comunidade da banda no Orkut:

Uma rádio de Goiânia se recusou a tocar Grupo de Extermínio após ouvir a canção.Ela estava no playlist pra ser tocada em um programa da rádio 97FM, mas quando os produtores ouviram a baixaria se recusaram a tocar, com medo de represálias.

Já nasceu sucesso.

Um viva ao ‘Grupo de Extermínio de Aberrações’,
colocando as rádios de cabelo em pé.


# # O tal programa, muito provavelmente, é o 97 Noise, apresentado pelo Fabrício Nobre e pelo Léo Razuk (ambos da Monstro Discos). A coisa toda, para quem não conhece a música, acontece por causa da ironia afiada e pontiaguda da letra, que afiança repetidas vezes na extensão de seus três minutos e pouco:

E eu garanto que seus filhos agradecem por crescer/
Sem ter que conviver/ Com bichas e michês/
Pretos na tevê/ Discípulos de Che/ E putas com HIV!


# # # Eu também garanto, viu...

***** **** *** ** *


# Reino Fungi
Reino Fungi e o Clube do Chá Dançante

Allegro Discos – 2006

Bem à moda do rock sulista brasileiro, o Reino Fungi – grupo que abotoa seus terninhos lá em Joinville, Santa Catarina –, em O Clube do Chá Dançante, deita confortavelmente sua mistura de jovem guarda romântica com doses doces de uma psicodelia roqueira e ingênua, tudo temperado com versinhos bobos e pueris, mas que no contexto acabam funcionando muito bem. Não é pra quem procura novidade, é um talentoso re-processamento de todas aquelas coisas legais dos anos sessenta: Beatles, Kinks, Stones, Who, Roberto Carlos, Fevers, Os Incríveis, etc. Nos melhores momentos lembram a grande e extinta Vídeo Hits (a melhor das neo-jovemguardianas), e dão pistas de rock progressivo em Fechadura Sem Trinco, que combina referências como uma centrífuga louca, ecoando lembranças do prog bem humorado de Tudo Foi Feito Pelo Sol, dos Mutantes, com reminiscências do britpop adulto do Supergrass. Reino Fungi e o Clube do Chá Dançante foi lançado no final de 2006 pelo selo goiano Allegro Discos, e é distribuído nacionalmente pela Trama.

# # Curioso? Dá uma olhada aqui ó: http://www.reinofungi.com.br/


***** **** *** ** *


# Pois então, como eu previa, Pinball, romance saboroso do polonês Jerzy Kosinski, correu rápido na frente dos olhos atentos e intrigados do blogueiro aqui. Patrick Domostroy, um decadente e outrora bem sucedido compositor erudito, e Andréa, uma jovem e atraente estudante de música, se associam para tentar descobrir a identidade de Goddard, um astro do rock que, a despeito do sucesso estrondoso, faz questão de permanecer incógnita. Domostroy passa a enviar cartas intrigantes e instigadoras endereçadas a Goddard, sempre assinadas por Andréa e postadas num envelope da Casa Branca. A trama, permeada por sutis e muito bem colocadas referências à música e ao mundo pop, se desenrola, presumidamente, no começo dos anos oitenta e faz várias referências à então recente maravilha tecnológica dos sintetizadores, que emulavam com “perfeição” a sonoridade de instrumentos de verdade, permitindo a um único músico apresentar-se com uma “banda completa”.

# # É uma muitíssimo bem elaborada estória sobre devoção à música, e a partir dela ensaia divagações acerca dos benefícios e prejuízos ocasionados pelo sucesso e pela celebridade. Pra quem, como o amigo aqui, é apaixonado por melodias e adora desperdiçar horas na frente de um livro, é uma ótima pedida.

# # # Toque do bróder e Inimigo do Rei, Eduardo Mesquita, que o blogueiro lesado aqui deixou passar em branco: Pinball – e todas as suas divertidíssimas 332 páginas –, encontra-se à venda por míseros dez dinheiros nas lojas do Carrefour, mais precisamente, segundo o colunista goiano da Dynamite, na loja sudoeste (é aquela da T-9? Se for, foi lá mesmo que eu adquiri minha cópia).

# # # # Falando no Eduardo, preciso dar mais uma dica aos leitores amigos: em seu blog (http://ogritodoinimigo.blogspot.com), sob o título: “Quem está certo é o Homero. Eu sou um idiota. Ainda sobre política.”, e com extensões estratégicas no Orkut, ele tem travado um debate acalorado com o povo rock da cidade sobre a possibilidade de um representante político, eleito pela mobilização dessa gente que trabalha e vive a cena independente em Goiânia. Lá tem tudo muito bem explicadinho: desde a primeiro querela oficial sobre o tema, nas plenárias que aconteceram no auditório da faculdade de direito da UFG, dentro da programação do último Bananada, onde o Segundo (chefão do selo Two Beers Or Not Two Beers) se posicionou radicalmente contra o envolvimento da cena em política partidária e representação política oficial, confrontando saudavelmente opiniões de gente como Pablo Kossa (jornalista e membro da cúpula da Fósforo Records), Márcio Júnior (Monstro Discos e nome cogitado para uma futura candidatura) e muitos outros. De lá pra cá a discussão está amadurecendo (apesar da reação feroz e vazia de alguns idiotas), e textos como o do Inimigo do Rei só ajudam a ilustrar que temos sim que ocupar espaços políticos, entender que estamos num momento em que a História cobra um passo mais largo e arriscado e que a compensação por tamanha ousadia pode ser aproveitada por todos, inclusive pela parcela dos indívíduos ocos e reclamões. Vai lá, dá uma lida com atenção e poste sua opinião nos comentários. Participe do debate, os resultados dele vão te atingir, podes crer.


# o grande LCD Soundsystem já tem um disco novo. O nome da obra é Sound of Silver e tem previsão de lançamento para março, mas já circula com desenvoltura pela rede mundial de computadores. Mesmo sem nenhum hit blockbuster da potência arrasadora de Daft Punk At Playing In My House, (do disco anterior, um apanhado de singles lançados na internet), Sound of Silver consegue equilibrar o LCD na lista dos notáveis do rock eletrônico (ou da eletrônica rock?). Mantras de pista, como Us vs Them e All My Friends , experimentos eletrônicos como Get Innocuous e a geográfica declaração de amor New Yorque I Love You – todos recheados de psicodelia contemporânea, beats espertíssimos e texturas espaciais –, vão garantir a vaga dessa bolachinha nos melhores clubes noturnos do ocidente – e no player do blogueiro – por um bom tempo.


# A Weekend In The City, novo do Bloc Party (prestes a ser ‘lançado’), não andava agradando os ouvidos do digitador aqui, mas tem melhorado alguns centímetros a cada nova audição. Deu pra descobrir algumas canções bem legais lá: The Prayer, que incrivelmente passaria fácil como um lado B dos novaiorquinos esquisitões do TV On The Radio, enquanto Hunting For Witches entrega um Bloc Party pronto para bombar pistas eletrônicas moderninhas planeta terra afora. É, ainda que beeem gradualmente, A Weekend In The City está conseguindo mais atenção do que a primeira ouvida sugeria.


# Viu que o corpo jurídico que assessora a musa Daniela Cicarelli conseguiu o que parecia impossível? Pois é, eles conseguiram bloquear o acesso de provedores brasileiros a um dos sites mais visitados de 2006, o essencial You Tube, que pertence ao grupo do poderoso Google. Tudo por causa daquele videoclipe indecente – que, eu bem sei, você assistiu esses tempos –, em que a longilínea apresentadora do Beija Sapo Mtv copulava despreocupadamente com seu namorado em uma das belas praias do país de Almodóvar.

# # Com era esperado, o bloqueio não foi longe, e às 14 horas de hoje, 09 de janeiro, o acesso já está novamente normalizado. Resta saber se a apresentadora vai continuar insistindo nessa luta agreste pela interdição do site de vídeos mais legal do planeta.

# # # De qualquer forma, pra quem acha que a ex do Ronaldo está se excedendo e deseja que ela sofra represálias por querer barrar o ingresso de todo um país a um sítio tão bacana, você não está só. Um site (na verdade um blog) se dispôs a ser arauto da indignação coletiva contra o repentino pudor da modelo. Vai lá e se junte a essa rede (hehehe): http://boicoteacicarelli.com/Esta


# Na quinta feira, dia 11 de janeiro, acontece no Omelete Rock Club a Noite do Vinil, evento realizado pelo DJ Öric com participação do blogueiro aqui, que vai se ocupar das picapes e botar o melhor do rock em bolachões pro povo dançar. Além da discotecagem do dono destas linhas brancas, e do fino set de black music do DJ Öric, o Ivan (ex-NEM) e o Zé (batera da Olhodepeixe) também prometem exigir muito dos músculos dançantes dos humanos que se fizerem presentes. Te vejo lá?

2 comentários:

Anônimo disse...

GDEA é muito foda. Violins é muito foda. Foda-se a 97FM!!!!!! E pau no cú da vadia da Cicarelli.

Carla disse...

Remodelando sua lista:

1º - Grupo de Extermínio de Aberrações – Tribunal Surdo / Violins
2º - Véio Máximo – Superguidis / Superguidis
3º - 99th Floor - Riot City Blues – Primal Scream
4º - Rocks – Cê / Caetano Veloso
5º - Grass Is Greener - Enemies Like This / Radio 4
6º - Black Swan – The Eraser / Thom Yorke
7º - Supermassive Black Hole - Black Holes and Revelations / Muse
8º - Don’t Feel Like Dancin’ – Tah Dah / Scissor Sisters
9º - Hump the Bump – Stadium Arcadium / Red Hot Chili Peppers
10º - Don’t Feel Like Dancin’ – Tah Dah / Scissor Sisters


Assim tá melhor. Um beijo!