Analytics:

terça-feira, fevereiro 10, 2009

Welcome to the Jungle

A The Name, o mais recente orgulho nacional do rock sorocabano, é o que se pode de chamar de banda ativa. A novidade da vez é o ep Assonance, que traz a ótima “Come Out Tonite” (lançada há pouco tempo como single), além de “Can U Dance, Boy”, "Tenant", “Mary Did Again” e “Assonance”.


Quando conheci o grupo, num memorável show no Goiânia Noise de 2007, o ep Gone (que ganhou lugar na lista Goiânia Rock News de melhores lançamentos daquele ano) havia sido lançado há pouco, e o trio ainda soava como uma espécie genuína e divertida de anacronismo dançante, algum tipo de elo perdido, reprocessando toda aquela aura de alegria-disfarçada-de-pessimismo do goth-pop anos 80, com timbres, figurino e cacoetes da época.


Em Older, o lançamento seguinte (mais um ep, com duas músicas), o grupo já dava pistas claras de uma abertura nos horizontes, arrotando (com propriedade) ecos do rock dançante contemporâneo em meio à devoção derivativa. Em "Come Out Tonite", lançada na web em novembro do ano passado, o conjunto escancarou o batuque indie, experimentando a pós-modernidade caleidoscópica sem pudores nostálgicos. E não poderia ter se dado melhor.


O que "Come Out..." anunciava, “Can You Dance, Boy” apurou, e suas guitarras ardidas, sua irresistível batida neo-disco, a batucadinha para “criar clima” e os timbres chapados não deixam dúvida. O The Name não é mais aquele. Mas mudou pra melhor.


“Mary Did Again” orbita, dançando, ao redor da marcação forte do baixo, enquanto "Tenant" é a que mais se aproxima do passado “gótico” da banda, ainda que mantenha uma distância segura.
"Assonance", a faixa título, é um quase afro-pop de longas passagens instrumentais e intenções bailarinas, e gira em volta de tambores e notas soltas de guitarra, condensando um suíngue noturno em riffs psicodélicos, baixo distorcido e bateria frenética.

Ficou curioso? Clique aqui e puxe o disquinho para vosso agá-dê.




# Depois de amanhã, dia 12, uma foto da rainha do pop, nuazinha em (muito) pêlo, tirada em 1979, será leiloada em Nova Yorque. A foto mostra uma Madonna recém saída da adolescência, exibindo para o fotógrafo todo o vigor e beleza que, geralmente, a maioria das demais garotas vigorosas e bonitas (e, geralmente, mais discretas) deixam para hotéis, motéis e residências (ou, em último caso, para o banco de trás do carro).


Não é por nada não, mas dá uma olhada aqui e me diga se você também consegue captar alguma semelhança entre essa Madonna-antes-da-fama e aquela Cláudia Ohana (eu sei que você se lembra dela...) de outros tempos?


Pois é...



Tchau

2 comentários:

Luana Sabino disse...

Creeedo, q mata atlantica e essa ai. mais a madona era bem gostosinha hem...

Anônimo disse...

Sabidão essa Luana...